Políticas FAPAD

POLÍTICA DE ENSINO

A Faculdade Pan entende que o acesso ao ensino superior aliado a outros elementos estruturais contribui para a promoção do desenvolvimento social, econômico, político e cultural da sociedade. A educação superior pode ser entendida como um espaço privilegiado para o conhecimento e a superação dos problemas regionais e locais, pois prepara pessoal qualificado para o desenvolvimento e o bem-estar social da população, como também, para o exercício da cidadania e da autonomia.

Programas acadêmicos de suporte ocupam um papel importante nessa dimensão, tais como Monitoria, Tutoria, Programas de Bolsas, Estágio Interno com incentivo à mobilidade acadêmica, nos mais diversos âmbitos, será uma pauta relevante na organização didático-pedagógica.

Nesse sentido, para que possa formar profissionais competentes, tanto na modalidade presencial quanto a distância é preciso garantir um ambiente saudável, aberto e acolhedor da diversidade, é assim que os jovens podem aprender mais e melhor e desenvolver ao máximo suas capacidades intelectuais. Por isto é que, do próprio ponto de vista de seu desenvolvimento acadêmico e da educação que se propõe dar aos acadêmicos, a Faculdade Pan irá buscar, constantemente, mais inclusão e mais diversidade em suas unidades.

Em síntese, a política para o ensino preconizada pela Faculdade Pan implica, entre outras medidas, a adoção de currículos flexíveis, atualizados e mais condizentes com as mudanças da realidade mundial e regional, em que os saberes se inter-relacionem e se complementem por meio da utilização de modernas tecnologias de ensino.

Para tanto pretende-se atender a um maior número de acadêmicos visando a:

• Aumentar a produção do conhecimento científico e formando profissionais mais atualizados, competentes e capazes de intervir na realidade local e regional;
• Criar condições para a formação de profissionais inovadores, policompetentes, analisando as demandas do mercado local e nacional, com vistas à sistematização de processos educativos problematizadores, contextualizadores, flexibilizadores e integralizadores;
• Fortalecer a articulação da teoria com a prática, por meio de atividades acadêmicas (iniciação científica, extensão, estágios obrigatórios, atividades complementares);
• Desenvolver a gestão acadêmica no que tange à dinâmica do processo ensino-aprendizagem em articulação com a Coordenação dos cursos, Docentes, Tutores e Discentes da IES;
• Instituir de forma processual e sistemática o regime semipresencial nos cursos de graduação, nos termos da legislação vigente;
• Estimular o intercâmbio interinstitucional de docentes, tutores e discentes, em nível nacional e internacional;
• Garantir a qualidade na execução de Programas e Cursos, atendendo às expectativas dos participantes e ampliando as suas possibilidades acesso ao mundo do trabalho.

Para implementar a política de ensino da FAPAD utilizará técnicas didático-pedagógicas e metodologias que favoreçam o atendimento educacional especializado por meio Metodologia Ativa e de softwares que possibilitam a inclusão de pessoas com deficiência ou com transtorno de espectro autista. Pretende-se ainda, possibilitar a interação dos docentes da FAPAD com professores do exterior em reuniões realizadas por vídeo conferência.

Os princípios teóricos–metodológicos que orientam as ações dos serviços inovadores educacionais da FAPAD orientam-se para o ensino, para a pesquisa, por meio da iniciação científica e para a extensão, com programas específicos, independentemente da modalidade de ensino.

A política de ensino da FAPAD objetiva a inovação. A inovação é um tema abrangente e transversal, sua inclusão na política de ensino da FAPAD se concretiza como uma ação institucional transformadora no contexto das atividades da faculdade. Este caráter transversal deve ser entendido de forma ampliada, envolvendo o tripé Ensino – Pesquisa – Extensão, além de auxiliar na atualização contínua das práticas de gestão. Nesta perspectiva, a formação acadêmica de excelência global envolve a necessidade de reflexão contínua sobre as práticas de ensino frente aos novos desafios de uma sociedade cada vez mais digital.

Sendo assim, as iniciativas relacionadas às práticas pedagógicas inovadoras devem ser estruturadas e disseminadas de modo a se ter um ambiente de inovação ampliado no ensino. Além disso, a criação e reestruturação dos cursos deve se consubstanciar balizadas em uma perspectiva alinhada aos desafios globais de formação no ensino superior. Para que a formação acadêmica esteja em consonância com as demandas atuais da sociedade.

Portanto, é preciso estimular a inventividade, além de possibilitar uma aprendizagem ativa, interativa e autônoma tanto nos cursos presencias como nos cursos desenvolvidos na modalidade a distância, viabilizando a troca de conhecimentos e colaboração entre toda a comunidade acadêmica. A incorporação de novas tecnologias no desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem torna-se imperativa, desde que considere as contingências socioeconômicas, as possibilidades cognitivas e a realidade objetiva de docentes, tutores e discentes, adotando a mediação didática e tecnológica de forma qualificada e inclusiva.

O Novo Marco Legal de Ciência, Tecnologia e Inovação (Lei nº 13.243/2016), regulamentado pelo Decreto nº 9.283/2018, alterou a legislação nesta área e proporcionou a criação de um ambiente mais favorável à pesquisa, ao desenvolvimento e à inovação nas IES.

Considerando o avanço tecnológico e a constante necessidade de Inovação o ensino na FAPAD se debruçará em dois eixos norteadores:

1. Inovação no ensino
• Reuniões interativas, sejam presenciais ou on-line para formação e atualização de práticas pedagógicas inovadoras;
• Oferta de cursos para docentes e tutores que possibilitem o conhecimento de ferramentas, produtos e processos que auxiliem na apropriação de práticas pedagógicas inovadoras;
• Estímulo à oferta de componentes curriculares em língua estrangeira e intercâmbio internacional de professores e acadêmicos focado em troca de experiências inovadoras no ensino.

2. Disseminação da prática da inovação e do empreendedorismo
• Capacitação para os docentes nas áreas de Inovação e Empreendedorismo;
• Realização de convênios promotores de Inovação com Incubadoras e Parques Tecnológicos;
• Fortalecimento da interação entre pesquisadores, inventores e organizações, reforçando o valor estratégico da transferência de conhecimento;
• Incremento de ações de comunicação no âmbito da promoção do comportamento empreendedor e inovador.

No ensino, o foco está centrado no acadêmico, de forma participativa, de modo a proporcionar a aquisição do perfil definido, em cada curso, e o desenvolvimento de suas capacidades críticas e criativas, além de conscientizá-lo das responsabilidades sociais, políticas e éticas. O ensino na FAPAD prevê a atualização curricular sistemática por meio da atuação do Núcleo Docente Estruturante de cada curso, a oferta de componentes curriculares na modalidade a distância quando previsto nos Projetos Pedagógicos dos Cursos por meio do AVA.

Na pesquisa, com a iniciação científica, o enfoque volta-se para a investigação exploratória, descritiva e explicativa da realidade, com sentido de ampliar o entendimento e de contribuir para as áreas de abrangência dos cursos, haverá realização de chats com parceiros previamente conveniados para a troca de experiências nas diversas áreas dos cursos.

Na extensão, o objetivo é possibilitar interface permanente da comunidade acadêmica com a sociedade, por meio de conhecimentos, informações e prestação de serviços, na busca do benefício mútuo.

Integram o conteúdo programático dos cursos da FAPAD, em todos os períodos letivos do curso, para colaborar com o enriquecimento do currículo dos cursos e contemplar o perfil traçado do profissional:

• Programas de iniciação científica e atividades de pesquisa.
• Extensão conforme a RESOLUÇÃO Nº 7/18/2018.
• Atividades de monitoria (conforme edital).
• Oferta de Nivelamento (transversal a todos os cursos)
• Estágios curriculares obrigatórios e não obrigatórios.
• Cursos, congressos, seminários, mesas-redondas, simpósios, visitas dirigidas, painéis, conferências, palestras ou eventos similares.

A FAPAD prevê a Interdisciplinaridade do processo de formação de pessoas, cidadãos e profissionais exigindo a globalidade do currículo e das ações dos responsáveis pela sua efetivação didático-pedagógica, política, ética, estética e transcendental nos diferentes componentes curriculares e situações que o integram, na forma de conhecimentos, hábitos, habilidades, competências, atitudes e valores dela decorrentes.

É política orientadora das ações de ensino–aprendizagem–desenvolvimento–educação de graduação da FAPAD propiciar ao acadêmico uma formação global que lhe permita construir competências, hábitos, habilidades e atitudes de forma crítica e criativa, estimulando-o a resolver problemas, estudar casos, intervir em realidades, prever crises, fazer predições sempre de forma ágil, versátil e ética, buscando seu auto aprimoramento e autor realização como pessoa e como cidadão, qualificando-o profissionalmente, tornando-o ciente de suas responsabilidades, usando para isso os recursos do conhecimento em seus vários níveis e modalidades, além das vivências e intervenções em realidades do seu cotidiano próximo ou remoto.

Isso pressupõe docentes permanentemente preparados para desafiar seus acadêmicos à construção interativa do aprendizado, intervir no processo a fim de aperfeiçoá-lo, utilizando para tanto, metodologias e recursos diferenciados e uma proposta de avaliação que atue como agente de mediação entre o objeto a ser conhecido e a disposição do acadêmico para aprender.

Qualquer entendimento que se possa externar sobre o processo ensino‐ aprendizagem passa antes pela incorporação de valores que desencadeiam intenções, vinculados às realidades política, cultural e social. Seus desdobramentos naturalmente se enquadram no que de melhor e necessário possa ser buscado para a adequada preparação de profissionais competentes e sintonizados com essas realidades.

O processo de preparação profissional extrapola o aprendizado técnico e deve estar voltado à internalização dos conteúdos pertinentes à atividade profissional e ao consequente domínio de suas respectivas competências e habilidades. Vai à busca do perfil de um cidadão que, além disso, precisa estar consciente de que a sua vivência acadêmica, hoje, e profissional, amanhã, deverá refletir um modelo de formação que priorizou a Sustentabilidade, o Empreendedorismo e a Empregabilidade, consciente de seu papel como ser humano socialmente responsável.

O egresso da FAPAD deverá integrar a sociedade a que sempre pertenceu, como um cidadão transformado, dotado de perspectivas diferentes e inovadoras que o levem a adquirir compromissos com grupos ou pessoa, a assumir o exercício de uma nova atividade conquistada por mérito, a valorizar o trabalho e também a si próprio e não confrontar o bem individual com o coletivo.

À postura de incutir valores e habilidades incorporadas pela educação sistemática, são integradas, de forma que não pode ser dissociada ou restringida, as informações do cotidiano social, as vivências, a compreensão sobre as características da relação humana, a ética, o respeito às opções individuais, aos limites pessoais, profissionais e às diferenças em sua mais abrangente concepção, configurando as formas da educação assistemática.

A FAPAD pretende consolidar suas políticas, estabelecendo os seguintes princípios gerais para o ensino:

• Estimular o relacionamento interpessoal e a comunicação eficaz, propiciando o trabalho em grupo e em equipes;
• Fomentar práticas de aprendizagem para formação da pessoa e do profissional comprometidos com um mundo melhor;
• Desenvolver ações inclusivas que contemplem a responsabilidade social, amparada em valores nos quais se assentam a sustentabilidade, a empregabilidade e o empreendedorismo;
• Oferecer soluções educacionais que atendam exigências de formação cidadã para o presente e futuro, provendo, por meio de suas ações, competências, habilidades e atitudes requeridas pela sociedade;
• Capacitar todos os envolvidos em suas ações sistematizando a tomada de decisão e prontidão às mudanças, a inclusão social e a flexibilidade;
• Oferecer curso de Inglês para colaborar com as atividades de internacionalização;
• Oferecer Programa “Ambientação em Educação a Distância”.

Desta maneira, há alinhamento entre o PDI e a política de ensino, considerando os métodos e as técnicas didático-pedagógicas, metodologias que favoreçam o atendimento educacional especializado e as atividades de avaliação, possibilitando práticas de ensino de graduação e de pós-graduação, com incorporação de avanços tecnológicos, e com metodologia que incentive a interdisciplinaridade, principalmente com a promoção de ações inovadoras.

POLÍTICA DE PESQUISA

A Faculdade Pan entende que a iniciação precoce na ciência é salutar, pois ela dá acesso a não aceitação de qualquer resposta pré-fabricada ou de qualquer certeza que esteja em contradição com os fatos. A iniciação científica conduz, nesse sentido, à formação da atitude científica do acadêmico que se reflete no desempenho do profissional capacitado a enfrentar os novos desafios, que são a tônica de um mundo globalizado e competitivo. A Faculdade Pan busca, com esta iniciativa, criar condições para que acadêmicos se transformem em pesquisadores.

Nos programas de iniciação científica, abertos às áreas do conhecimento que abrigam os cursos oferecidos pela Faculdade, os acadêmicos trabalham em seus projetos sob a orientação de um professor designado para tal.
As diretrizes que norteiam a política de iniciação científica da Faculdade são:

• Incentivar a produção científica discente própria ou em colaboração com seus orientadores, visando à criatividade e a crítica;
• Contribuir para o desenvolvimento de formas de pensamento que assegurem a sua clareza e o poder crítico, construtivo e independente;
• Incentivar o acadêmico não só a observar a realidade, mas também a dialogar com ela e a agir sobre ela, por meio dos procedimentos que caracterizam o trabalho científico: o teste, a dúvida, o desafio que, por sua vez, desfazem a tendência meramente reprodutiva da aprendizagem;
• Aprimorar o espírito analítico-crítico e desenvolver o espírito científico do acadêmico universitário;
• Incrementar a participação dos acadêmicos em programas de iniciação científica, promovidos pela instituição;
• Ampliar e fortalecer as atividades de iniciação científica, assim como outros programas especiais dirigidos ao aperfeiçoamento do alunado de graduação, com práticas acadêmicas voltadas à produção e interpretação do conhecimento; por meio de Simulação de tribunal do júri, audiências públicas, processos licitatórios, debates legislativos, campanhas eleitorais, por exemplo , diretamente ligadas ao direito penal, direito do trabalho, interesses difusos e coletivos, direito administrativo, direito eleitoral, nos exemplos , auxiliarão o discente na compreensão dos problemas filosóficos e antropológicos do quotidiano, demonstrando a eficiência dos instrumentos sociais para a pacificação e resolução dos conflitos. Dessas dramatizações os discentes devidamente coordenados produzirão textos a compor revista cientifica de interesse social, apresentando a problematização e as sugestões de resolução. Ainda nos exemplos, podemos citar temas como lei de execução penal, pena capital, revisão da lei de licitações, obrigatoriedade de voto …, são temas que serão colocados em evidencia, por suas incoerências e distanciamento do desejo social. Através de dramatização da vida cotidiana os discentes poderão circular nos mais diversos ramos do direito, utilizando temáticas de impacto social.
• Subsidiar a iniciação científica por bolsas oferecidas aos acadêmicos, que consistem em ajuda de custo ou desconto na mensalidade da Faculdade, conforme Regulamento de Iniciação Científica do Programa Institucional de Iniciação Científica da FAPAD.
• Incentivar o acadêmico da graduação a dar continuidade aos seus estudos por meio de cursos de pós-graduação. A Instituição manterá regulamentadas as atividades de iniciação científica por meio de regulamento próprio, no qual apresentará as regras para que acadêmicos e professores possam participar do Programa de Iniciação Científica da Faculdade.
• Constituir a pesquisa como um dos pilares da formação superior, garantindo condições amplas para a inserção de docentes e discentes nessa atividade;
• Consolidar as linhas e os grupos de pesquisa:

DIREITO

Linha 1 – Direitos humanos fundamentais: análise crítica do(s) constitucionalismo(s), de suas manifestações sociais e de sua interpretação/aplicação na pós-modernidade inclusiva.
Linha 2 – Law & Economics – análise econômica do direito e a interpretação dos fenômenos sociais a luz das garantias individuais.
Linha 3 – Bases constitucionais da atuação e controle do Estado Administrador/Fiscal: entre os direitos individuais e o interesse público.
Linha 4 – Crimes, punições e direitos violados: das normas penais e processuais às políticas criminais.

ADMINISTRAÇÃO

Linha 1 – Gestão estratégica, marketing e inovação
Linha 2 – Organizações, gestão e sociedade inclusiva
Linha 3 – Gestão de negócios, economia e mercados

LINHA DE PESQUISA TRANSVERSAL A TODOS OS CURSOS: DEFESA DE INTERESSES DIFUSOS E COLETIVOS.

• Desenvolver programas e projetos institucionais de pesquisa, incrementando parcerias com iniciativas com o setor público e privado, em âmbitos nacional e internacional;
• Fortalecimento da divulgação de resultados da pesquisa produzida no âmbito da Faculdade, por meio de publicações em periódicos e outros formatos editoriais, bem como da promoção de eventos científicos.

As ações previstas poderão ser realizadas através de convênio com outras instituições do terceiro setor. Buscar-se-á demonstrar para o corpo discente a importância do envolvimento social.

Através de desenvolvimento de núcleo de apoio aos discentes, o acadêmico do curso de Direito, por exemplo, terá a oportunidade de auxiliado por docente e advogado, realizar a atividade correlata à advocacia pública (defensoria) como impetração de Mandados de segurança para custeio de tratamento médico para os que tiveram recusa dos planos ou do sistema único de saúde, réus e vítimas sem assistência jurídica em âmbito penal, de família e cível. Desse trabalho os discentes serão estimulados à produção científica, criando também material para estudos de análise de caso e dramatizações.

Com esses casos Fóruns de Discussão serão criados e um discente será escolhido para representação da FAPAD em congressos e eventos com custeio integral de sua participação, inclusive em cursos livres de férias, temático, no Brasil ou preferencialmente no exterior de sua área de interesse.

Anualmente, a partir de 2022 a FAPAD tem como meta, publicar a “Revista Eletrônica FAPAD – Negócios e Direito em debate” será um periódico técnico-científico. Buscará fomentar a pesquisa interdisciplinar com aplicação nas áreas do Direito e da Administração.

POLÍTICA DE EXTENSÃO

A LDB, no inciso VI do art. 43, estabelece como um dos objetivos do ensino superior “estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade”. Dessa forma, a extensão poderá também ser entendida enquanto serviço que a Faculdade Pan presta à sociedade, gerando alternativas de ação que atendam às reais expectativas e problemáticas da população. É ainda um espaço fértil para o exercício e conquista da emancipação crítica tanto da comunidade acadêmica quanto da sociedade.

Conforme a RESOLUÇÃO Nº 7, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2018, a Extensão na Educação Superior Brasileira é a atividade que se integra à matriz curricular e à organização da pesquisa, constituindo-se em processo interdisciplinar, político educacional, cultural, científico, tecnológico, que promove a interação transformadora entre as instituições de ensino superior e os outros setores da sociedade, por meio da produção e da aplicação do conhecimento, em articulação permanente com o ensino e a pesquisa. As diretrizes que norteiam a política de extensão da Faculdade Pan são:

• Desenvolver a extensão em todos os cursos, como um dos instrumentos de formação profissional, por constituir-se em eixo de articulação entre o ensino e a iniciação científica;
• Compreender os projetos de extensão como um conjunto de atividades de caráter educativo, cultural ou científico, desenvolvido a partir das coordenações de cada curso, por meio de ações sistematizadas, deliberadas pelo Conselho Superior;
• Desenvolver eventos (cursos, fóruns, congressos, seminários, viagens, semanas acadêmicas, simpósios e outros) entendidos como atividades de caráter técnico, científico ou cultural, objetivando o acesso da comunidade às diversas áreas do conhecimento humano;
• Priorizar projetos de relevância social que venham ao encontro das reais necessidades da sociedade, sobremodo das comunidades situadas próximas às instalações da Faculdade Pan, de forma a que seja possível uma intervenção mais eficaz, bem como a mensuração dos resultados alcançados;
• Priorizar projetos de natureza interdisciplinar que permitam a contextualização das ações em uma perspectiva global, buscando a transformação social;
• Estabelecer parcerias com entidades e instituições da sociedade civil organizada e órgãos governamentais para a elaboração e execução de atividades de extensão;
• Articular o ensino e a iniciação científica com as demandas sociais, referentes às áreas da educação, da gestão, da comunicação, do direito e das tecnologias da informação, buscando o comprometimento da comunidade acadêmica com os interesses e necessidades da sociedade;
• Estimular programas de bolsas mantidos com recursos próprios ou de agências de fomento para os acadêmicos que participarem dos projetos de extensão;
• Estabelecer um fluxo bidirecional entre o conhecimento acadêmico e o popular, buscando a produção de conhecimentos resultantes do confronto com a realidade e a democratização do conhecimento acadêmico;
• Promover atividades de apoio e estímulo à organização, participação e desenvolvimento das comunidades, embasadas em princípios de autos sustentabilidade e do empreendedorismo;
• Buscar nas atividades de extensão subsídios para a reavaliação dos conteúdos programáticos das disciplinas e cursos, identificando e possibilitando, inclusive, as práticas inovadoras.

A partir de 2021, será implantada a Curricularização da Extensão, a qual consiste na inclusão de Atividades de Extensão no currículo dos Cursos de Graduação, como parte obrigatória da formação humana de todos os acadêmicos, sob a perspectiva de uma transformação social por meio de programas e projetos orientados por docentes, tutores e com possível colaboração de técnicos administrativos em educação da FAPAD.

Os Projetos Pedagógicos dos Cursos Superiores (PPCs) deverão assegurar em suas matrizes curriculares, no mínimo, 10% da carga horária total do curso em Atividades de Extensão nas áreas de grande pertinência social, conforme previsto em legislação vigente.

A carga horária de extensão a ser curricularizada não é uma carga horária adicional, mas parte integrante da carga horária total do curso.
As práticas curriculares de extensão poderão constar na estrutura curricular dos cursos sob a denominação de Práticas Curriculares de Extensão I (PCE I), Práticas Curriculares de Extensão II (PCE II), Práticas Curriculares de Extensão III (PCE III) e Práticas Curriculares de Extensão IV (PCE IV). A totalização das cargas horárias realizadas até o final dos cursos na forma de requisito curricular deve ser identificada na matriz curricular como Práticas Curriculares de Extensão (PCE).
As atividades de extensão na FAPAD serão norteadas e sistematizadas a partir de oito áreas temáticas, correspondentes a grandes focos de política social. São elas: Comunicação; Cultura; Direitos humanos e Justiça; Educação; Meio Ambiente; Saúde; Tecnologia e Produção; e Trabalho. Quanto as modalidades, poderão ser registradas como programas, projetos, cursos e oficinas, eventos e prestação de serviços. As modalidades da extensão poderão ser vinculadas e desenvolvidas no decorrer das unidades curriculares a depender do projeto pedagógico de cada curso.
Entende-se como Programa de Extensão o conjunto articulado de projetos e outras ações de extensão, de caráter multidisciplinar e integrado a atividades de pesquisa e de ensino. Tem caráter orgânico-institucional, integração no território e/ou grupos populacionais, clareza de diretrizes e orientação para um objetivo comum, sendo executado a médio e longo prazo por alunos orientados por um ou mais professores da instituição.

Entende-se como Projeto de Extensão uma ação processual e contínua de caráter educativo, social e cultural, científico ou tecnológico, com objetivo específico e prazo determinado. A implementação de projetos pode ser desencadeada por meio de uma chamada à apresentação de um projeto ou na modalidade de demanda espontânea. Em se tratando de demanda espontânea, o projeto é acolhido a qualquer momento, quando da estruturação de ações que podem reunir antigas ou novas demandas de extensão.

Entende-se como Curso de Extensão a ação pedagógica planejada e organizada de forma sistemática, de caráter teórico e prático, presencial, semipresencial ou à distância, planejado para atender às necessidades da sociedade, visando o desenvolvimento, a atualização e aperfeiçoamento de conhecimentos, com critérios de avaliação definidos.

Entende-se como Evento de Extensão a ação de curta duração que implica na apresentação e/ou exibição pública, livre ou com clientela específica, do conhecimento ou produto cultural, artístico, esportivo, científico e tecnológico desenvolvido pela FAPAD. Eles podem ser realizadas sob a forma de congressos, conferências, seminários, encontros, simpósios, jornadas, colóquios, fóruns, reuniões, mesas-redondas, ciclo de debates, oficinas, exposições, feiras, mostras, salões, lançamentos, espetáculos, recitais, concertos, shows, apresentações, eventos esportivos (campeonato, torneio, jogos), festivais, campanhas, dentre outros.
A exemplo disso, o curso de Administração desenvolverá semestralmente no formato de Projeto de Extensão a Semana Acadêmica denominada com “Empreendedorismo Inovador”, onde acadêmicos farão a exposição de Projetos desenvolvidos no curso de Administração EaD, preferencialmente os Seminários temáticos, serão desenvolvidos por meio de lives, reuniões on-line.

Entende-se como Prestação de Serviços à comunidade a atividade de transferência à comunidade do conhecimento gerado, incluindo-se nesse conceito assessorias e consultorias, pesquisas. Os coordenadores de curso em parceria com a direção de ensino poderão induzir o registro de atividades nessa modalidade por meio de editais semestrais para escritórios modelos, que visam proporcionar ao acadêmico a aplicação prática de conhecimentos teóricos, relativos à área de formação profissional, seja do direito ou da administração e facilitar o ingresso de futuros profissionais no mercado, colocando-os em contato direto com o seu mercado de trabalho.

Ainda como prestação de serviços a comunidade interna e externa, para incentivar o empreendedorismo inovador e a incubação de negócios que visam ampliar o impacto do ensino, da pesquisa e da extensão em favor do desenvolvimento socioeconômico sustentado, a FAPAD realizará a “Mostra de Produtos e Serviços”, ou seja, um espaço no site da faculdade para que os acadêmicos possam divulgar os trabalhos e serviços que produzem e comercializam, em forma de áudio, vídeo, podcast.

É legítimo afirmar que os acadêmicos da FAPAD poderão colaborar com prestação de serviços a comunidade, pois é no âmbito da prática que o acadêmico tem a convergência entre teoria e prática e apresenta os resultados da sua pesquisa e do seu aprendizado. Uma das ações previstas na IES, é a prestação de serviço voluntário à comunidade, fazendo a Declaração do Imposto de Renda do MEI – Microempreendedor Individual, a qual poderá ser previamente agendada e realizada na Sala de Informática.

Para tanto, a FAPAD possui um CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VOLUNTÁRIOS, com a ABRADELC – ASSOCIACAO BRASILEIRA DE DEFESA DO LIVRE COMERCIO, CNPJ 07.146.446/0001-78, Rua André de Barros, 226, Sala 405, Centro, CEP. 80.010-080, Curitiba/PR.

O objeto do contrato é a prestação voluntária de serviços de consultoria administrativa e jurídica. A FAPAD enviará acadêmicos do curso de Administração e Direito, juntamente com um professor responsável uma vez por semana, por duas horas, para prestar voluntariamente consultoria administrativa e jurídica para a ABRADELC. Os resultados da consultoria serão documentados através de formulários, para que posterirormente os dados sirvam para a publicação de artigos, podcasts.

PROJETO DE EXTENSÃO

Entende-se como Programa de Extensão o conjunto articulado de projetos e outras ações de extensão, de caráter multidisciplinar e integrado a atividades de pesquisa e de ensino. Tem caráter orgânico-institucional, integração no território e/ou grupos populacionais, clareza de diretrizes e orientação para um objetivo comum, sendo executado a médio e longo prazo por alunos orientados por um ou mais professores da instituição.

Os projetos e as atividades de extensão na FAPAD serão norteadas e sistematizadas a partir de oito áreas temáticas, correspondentes a grandes focos de política social. São elas: Comunicação; Cultura; Direitos humanos e Justiça; Educação; Meio Ambiente; Saúde; Tecnologia e Produção e Trabalho.

Quanto as modalidades, poderão ser registradas como programas, projetos, cursos e oficinas, eventos e prestação de serviços. As modalidades da extensão poderão ser vinculadas e desenvolvidas pelo curso e no decorrer das unidades curriculares a depender do projeto pedagógico de cada curso.

POLÍTICA DE ENSINO

A Faculdade Pan entende que o acesso ao ensino superior aliado a outros elementos estruturais contribui para a promoção do desenvolvimento social, econômico, político e cultural da sociedade. A educação superior pode ser entendida como um espaço privilegiado para o conhecimento e a superação dos problemas regionais e locais, pois prepara pessoal qualificado para o desenvolvimento e o bem-estar social da população, como também, para o exercício da cidadania e da autonomia.

Programas acadêmicos de suporte ocupam um papel importante nessa dimensão, tais como Monitoria, Tutoria, Programas de Bolsas, Estágio Interno com incentivo à mobilidade acadêmica, nos mais diversos âmbitos, será uma pauta relevante na organização didático-pedagógica.

Nesse sentido, para que possa formar profissionais competentes, tanto na modalidade presencial quanto a distância é preciso garantir um ambiente saudável, aberto e acolhedor da diversidade, é assim que os jovens podem aprender mais e melhor e desenvolver ao máximo suas capacidades intelectuais. Por isto é que, do próprio ponto de vista de seu desenvolvimento acadêmico e da educação que se propõe dar aos acadêmicos, a Faculdade Pan irá buscar, constantemente, mais inclusão e mais diversidade em suas unidades.

Em síntese, a política para o ensino preconizada pela Faculdade Pan implica, entre outras medidas, a adoção de currículos flexíveis, atualizados e mais condizentes com as mudanças da realidade mundial e regional, em que os saberes se inter-relacionem e se complementem por meio da utilização de modernas tecnologias de ensino.

Para tanto pretende-se atender a um maior número de acadêmicos visando a:

• Aumentar a produção do conhecimento científico e formando profissionais mais atualizados, competentes e capazes de intervir na realidade local e regional;
• Criar condições para a formação de profissionais inovadores, policompetentes, analisando as demandas do mercado local e nacional, com vistas à sistematização de processos educativos problematizadores, contextualizadores, flexibilizadores e integralizadores;
• Fortalecer a articulação da teoria com a prática, por meio de atividades acadêmicas (iniciação científica, extensão, estágios obrigatórios, atividades complementares);
• Desenvolver a gestão acadêmica no que tange à dinâmica do processo ensino-aprendizagem em articulação com a Coordenação dos cursos, Docentes, Tutores e Discentes da IES;
• Instituir de forma processual e sistemática o regime semipresencial nos cursos de graduação, nos termos da legislação vigente;
• Estimular o intercâmbio interinstitucional de docentes, tutores e discentes, em nível nacional e internacional;
• Garantir a qualidade na execução de Programas e Cursos, atendendo às expectativas dos participantes e ampliando as suas possibilidades acesso ao mundo do trabalho.

Para implementar a política de ensino da FAPAD utilizará técnicas didático-pedagógicas e metodologias que favoreçam o atendimento educacional especializado por meio Metodologia Ativa e de softwares que possibilitam a inclusão de pessoas com deficiência ou com transtorno de espectro autista. Pretende-se ainda, possibilitar a interação dos docentes da FAPAD com professores do exterior em reuniões realizadas por vídeo conferência.

Os princípios teóricos–metodológicos que orientam as ações dos serviços inovadores educacionais da FAPAD orientam-se para o ensino, para a pesquisa, por meio da iniciação científica e para a extensão, com programas específicos, independentemente da modalidade de ensino.

A política de ensino da FAPAD objetiva a inovação. A inovação é um tema abrangente e transversal, sua inclusão na política de ensino da FAPAD se concretiza como uma ação institucional transformadora no contexto das atividades da faculdade. Este caráter transversal deve ser entendido de forma ampliada, envolvendo o tripé Ensino – Pesquisa – Extensão, além de auxiliar na atualização contínua das práticas de gestão. Nesta perspectiva, a formação acadêmica de excelência global envolve a necessidade de reflexão contínua sobre as práticas de ensino frente aos novos desafios de uma sociedade cada vez mais digital.

Sendo assim, as iniciativas relacionadas às práticas pedagógicas inovadoras devem ser estruturadas e disseminadas de modo a se ter um ambiente de inovação ampliado no ensino. Além disso, a criação e reestruturação dos cursos deve se consubstanciar balizadas em uma perspectiva alinhada aos desafios globais de formação no ensino superior. Para que a formação acadêmica esteja em consonância com as demandas atuais da sociedade.

Portanto, é preciso estimular a inventividade, além de possibilitar uma aprendizagem ativa, interativa e autônoma tanto nos cursos presencias como nos cursos desenvolvidos na modalidade a distância, viabilizando a troca de conhecimentos e colaboração entre toda a comunidade acadêmica. A incorporação de novas tecnologias no desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem torna-se imperativa, desde que considere as contingências socioeconômicas, as possibilidades cognitivas e a realidade objetiva de docentes, tutores e discentes, adotando a mediação didática e tecnológica de forma qualificada e inclusiva.

O Novo Marco Legal de Ciência, Tecnologia e Inovação (Lei nº 13.243/2016), regulamentado pelo Decreto nº 9.283/2018, alterou a legislação nesta área e proporcionou a criação de um ambiente mais favorável à pesquisa, ao desenvolvimento e à inovação nas IES.

Considerando o avanço tecnológico e a constante necessidade de Inovação o ensino na FAPAD se debruçará em dois eixos norteadores:

1. Inovação no ensino
• Reuniões interativas, sejam presenciais ou on-line para formação e atualização de práticas pedagógicas inovadoras;
• Oferta de cursos para docentes e tutores que possibilitem o conhecimento de ferramentas, produtos e processos que auxiliem na apropriação de práticas pedagógicas inovadoras;
• Estímulo à oferta de componentes curriculares em língua estrangeira e intercâmbio internacional de professores e acadêmicos focado em troca de experiências inovadoras no ensino.

2. Disseminação da prática da inovação e do empreendedorismo
• Capacitação para os docentes nas áreas de Inovação e Empreendedorismo;
• Realização de convênios promotores de Inovação com Incubadoras e Parques Tecnológicos;
• Fortalecimento da interação entre pesquisadores, inventores e organizações, reforçando o valor estratégico da transferência de conhecimento;
• Incremento de ações de comunicação no âmbito da promoção do comportamento empreendedor e inovador.

No ensino, o foco está centrado no acadêmico, de forma participativa, de modo a proporcionar a aquisição do perfil definido, em cada curso, e o desenvolvimento de suas capacidades críticas e criativas, além de conscientizá-lo das responsabilidades sociais, políticas e éticas. O ensino na FAPAD prevê a atualização curricular sistemática por meio da atuação do Núcleo Docente Estruturante de cada curso, a oferta de componentes curriculares na modalidade a distância quando previsto nos Projetos Pedagógicos dos Cursos por meio do AVA.

Na pesquisa, com a iniciação científica, o enfoque volta-se para a investigação exploratória, descritiva e explicativa da realidade, com sentido de ampliar o entendimento e de contribuir para as áreas de abrangência dos cursos, haverá realização de chats com parceiros previamente conveniados para a troca de experiências nas diversas áreas dos cursos.

Na extensão, o objetivo é possibilitar interface permanente da comunidade acadêmica com a sociedade, por meio de conhecimentos, informações e prestação de serviços, na busca do benefício mútuo.

Integram o conteúdo programático dos cursos da FAPAD, em todos os períodos letivos do curso, para colaborar com o enriquecimento do currículo dos cursos e contemplar o perfil traçado do profissional:

• Programas de iniciação científica e atividades de pesquisa.
• Extensão conforme a RESOLUÇÃO Nº 7/18/2018.
• Atividades de monitoria (conforme edital).
• Oferta de Nivelamento (transversal a todos os cursos)
• Estágios curriculares obrigatórios e não obrigatórios.
• Cursos, congressos, seminários, mesas-redondas, simpósios, visitas dirigidas, painéis, conferências, palestras ou eventos similares.

A FAPAD prevê a Interdisciplinaridade do processo de formação de pessoas, cidadãos e profissionais exigindo a globalidade do currículo e das ações dos responsáveis pela sua efetivação didático-pedagógica, política, ética, estética e transcendental nos diferentes componentes curriculares e situações que o integram, na forma de conhecimentos, hábitos, habilidades, competências, atitudes e valores dela decorrentes.

É política orientadora das ações de ensino–aprendizagem–desenvolvimento–educação de graduação da FAPAD propiciar ao acadêmico uma formação global que lhe permita construir competências, hábitos, habilidades e atitudes de forma crítica e criativa, estimulando-o a resolver problemas, estudar casos, intervir em realidades, prever crises, fazer predições sempre de forma ágil, versátil e ética, buscando seu auto aprimoramento e autor realização como pessoa e como cidadão, qualificando-o profissionalmente, tornando-o ciente de suas responsabilidades, usando para isso os recursos do conhecimento em seus vários níveis e modalidades, além das vivências e intervenções em realidades do seu cotidiano próximo ou remoto.

Isso pressupõe docentes permanentemente preparados para desafiar seus acadêmicos à construção interativa do aprendizado, intervir no processo a fim de aperfeiçoá-lo, utilizando para tanto, metodologias e recursos diferenciados e uma proposta de avaliação que atue como agente de mediação entre o objeto a ser conhecido e a disposição do acadêmico para aprender.

Qualquer entendimento que se possa externar sobre o processo ensino‐ aprendizagem passa antes pela incorporação de valores que desencadeiam intenções, vinculados às realidades política, cultural e social. Seus desdobramentos naturalmente se enquadram no que de melhor e necessário possa ser buscado para a adequada preparação de profissionais competentes e sintonizados com essas realidades.

O processo de preparação profissional extrapola o aprendizado técnico e deve estar voltado à internalização dos conteúdos pertinentes à atividade profissional e ao consequente domínio de suas respectivas competências e habilidades. Vai à busca do perfil de um cidadão que, além disso, precisa estar consciente de que a sua vivência acadêmica, hoje, e profissional, amanhã, deverá refletir um modelo de formação que priorizou a Sustentabilidade, o Empreendedorismo e a Empregabilidade, consciente de seu papel como ser humano socialmente responsável.

O egresso da FAPAD deverá integrar a sociedade a que sempre pertenceu, como um cidadão transformado, dotado de perspectivas diferentes e inovadoras que o levem a adquirir compromissos com grupos ou pessoa, a assumir o exercício de uma nova atividade conquistada por mérito, a valorizar o trabalho e também a si próprio e não confrontar o bem individual com o coletivo.

À postura de incutir valores e habilidades incorporadas pela educação sistemática, são integradas, de forma que não pode ser dissociada ou restringida, as informações do cotidiano social, as vivências, a compreensão sobre as características da relação humana, a ética, o respeito às opções individuais, aos limites pessoais, profissionais e às diferenças em sua mais abrangente concepção, configurando as formas da educação assistemática.

A FAPAD pretende consolidar suas políticas, estabelecendo os seguintes princípios gerais para o ensino:

• Estimular o relacionamento interpessoal e a comunicação eficaz, propiciando o trabalho em grupo e em equipes;
• Fomentar práticas de aprendizagem para formação da pessoa e do profissional comprometidos com um mundo melhor;
• Desenvolver ações inclusivas que contemplem a responsabilidade social, amparada em valores nos quais se assentam a sustentabilidade, a empregabilidade e o empreendedorismo;
• Oferecer soluções educacionais que atendam exigências de formação cidadã para o presente e futuro, provendo, por meio de suas ações, competências, habilidades e atitudes requeridas pela sociedade;
• Capacitar todos os envolvidos em suas ações sistematizando a tomada de decisão e prontidão às mudanças, a inclusão social e a flexibilidade;
• Oferecer curso de Inglês para colaborar com as atividades de internacionalização;
• Oferecer Programa “Ambientação em Educação a Distância”.

Desta maneira, há alinhamento entre o PDI e a política de ensino, considerando os métodos e as técnicas didático-pedagógicas, metodologias que favoreçam o atendimento educacional especializado e as atividades de avaliação, possibilitando práticas de ensino de graduação e de pós-graduação, com incorporação de avanços tecnológicos, e com metodologia que incentive a interdisciplinaridade, principalmente com a promoção de ações inovadoras.

POLÍTICA DE PESQUISA

A Faculdade Pan entende que a iniciação precoce na ciência é salutar, pois ela dá acesso a não aceitação de qualquer resposta pré-fabricada ou de qualquer certeza que esteja em contradição com os fatos. A iniciação científica conduz, nesse sentido, à formação da atitude científica do acadêmico que se reflete no desempenho do profissional capacitado a enfrentar os novos desafios, que são a tônica de um mundo globalizado e competitivo. A Faculdade Pan busca, com esta iniciativa, criar condições para que acadêmicos se transformem em pesquisadores.

Nos programas de iniciação científica, abertos às áreas do conhecimento que abrigam os cursos oferecidos pela Faculdade, os acadêmicos trabalham em seus projetos sob a orientação de um professor designado para tal.
As diretrizes que norteiam a política de iniciação científica da Faculdade são:

• Incentivar a produção científica discente própria ou em colaboração com seus orientadores, visando à criatividade e a crítica;
• Contribuir para o desenvolvimento de formas de pensamento que assegurem a sua clareza e o poder crítico, construtivo e independente;
• Incentivar o acadêmico não só a observar a realidade, mas também a dialogar com ela e a agir sobre ela, por meio dos procedimentos que caracterizam o trabalho científico: o teste, a dúvida, o desafio que, por sua vez, desfazem a tendência meramente reprodutiva da aprendizagem;
• Aprimorar o espírito analítico-crítico e desenvolver o espírito científico do acadêmico universitário;
• Incrementar a participação dos acadêmicos em programas de iniciação científica, promovidos pela instituição;
• Ampliar e fortalecer as atividades de iniciação científica, assim como outros programas especiais dirigidos ao aperfeiçoamento do alunado de graduação, com práticas acadêmicas voltadas à produção e interpretação do conhecimento; por meio de Simulação de tribunal do júri, audiências públicas, processos licitatórios, debates legislativos, campanhas eleitorais, por exemplo , diretamente ligadas ao direito penal, direito do trabalho, interesses difusos e coletivos, direito administrativo, direito eleitoral, nos exemplos , auxiliarão o discente na compreensão dos problemas filosóficos e antropológicos do quotidiano, demonstrando a eficiência dos instrumentos sociais para a pacificação e resolução dos conflitos. Dessas dramatizações os discentes devidamente coordenados produzirão textos a compor revista cientifica de interesse social, apresentando a problematização e as sugestões de resolução. Ainda nos exemplos, podemos citar temas como lei de execução penal, pena capital, revisão da lei de licitações, obrigatoriedade de voto …, são temas que serão colocados em evidencia, por suas incoerências e distanciamento do desejo social. Através de dramatização da vida cotidiana os discentes poderão circular nos mais diversos ramos do direito, utilizando temáticas de impacto social.
• Subsidiar a iniciação científica por bolsas oferecidas aos acadêmicos, que consistem em ajuda de custo ou desconto na mensalidade da Faculdade, conforme Regulamento de Iniciação Científica do Programa Institucional de Iniciação Científica da FAPAD.
• Incentivar o acadêmico da graduação a dar continuidade aos seus estudos por meio de cursos de pós-graduação. A Instituição manterá regulamentadas as atividades de iniciação científica por meio de regulamento próprio, no qual apresentará as regras para que acadêmicos e professores possam participar do Programa de Iniciação Científica da Faculdade.
• Constituir a pesquisa como um dos pilares da formação superior, garantindo condições amplas para a inserção de docentes e discentes nessa atividade;
• Consolidar as linhas e os grupos de pesquisa:

DIREITO

Linha 1 – Direitos humanos fundamentais: análise crítica do(s) constitucionalismo(s), de suas manifestações sociais e de sua interpretação/aplicação na pós-modernidade inclusiva.
Linha 2 – Law & Economics – análise econômica do direito e a interpretação dos fenômenos sociais a luz das garantias individuais.
Linha 3 – Bases constitucionais da atuação e controle do Estado Administrador/Fiscal: entre os direitos individuais e o interesse público.
Linha 4 – Crimes, punições e direitos violados: das normas penais e processuais às políticas criminais.

ADMINISTRAÇÃO

Linha 1 – Gestão estratégica, marketing e inovação
Linha 2 – Organizações, gestão e sociedade inclusiva
Linha 3 – Gestão de negócios, economia e mercados

LINHA DE PESQUISA TRANSVERSAL A TODOS OS CURSOS: DEFESA DE INTERESSES DIFUSOS E COLETIVOS.

• Desenvolver programas e projetos institucionais de pesquisa, incrementando parcerias com iniciativas com o setor público e privado, em âmbitos nacional e internacional;
• Fortalecimento da divulgação de resultados da pesquisa produzida no âmbito da Faculdade, por meio de publicações em periódicos e outros formatos editoriais, bem como da promoção de eventos científicos.

As ações previstas poderão ser realizadas através de convênio com outras instituições do terceiro setor. Buscar-se-á demonstrar para o corpo discente a importância do envolvimento social.

Através de desenvolvimento de núcleo de apoio aos discentes, o acadêmico do curso de Direito, por exemplo, terá a oportunidade de auxiliado por docente e advogado, realizar a atividade correlata à advocacia pública (defensoria) como impetração de Mandados de segurança para custeio de tratamento médico para os que tiveram recusa dos planos ou do sistema único de saúde, réus e vítimas sem assistência jurídica em âmbito penal, de família e cível. Desse trabalho os discentes serão estimulados à produção científica, criando também material para estudos de análise de caso e dramatizações.

Com esses casos Fóruns de Discussão serão criados e um discente será escolhido para representação da FAPAD em congressos e eventos com custeio integral de sua participação, inclusive em cursos livres de férias, temático, no Brasil ou preferencialmente no exterior de sua área de interesse.

Anualmente, a partir de 2022 a FAPAD tem como meta, publicar a “Revista Eletrônica FAPAD – Negócios e Direito em debate” será um periódico técnico-científico. Buscará fomentar a pesquisa interdisciplinar com aplicação nas áreas do Direito e da Administração.

POLÍTICA DE EXTENSÃO

A LDB, no inciso VI do art. 43, estabelece como um dos objetivos do ensino superior “estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade”. Dessa forma, a extensão poderá também ser entendida enquanto serviço que a Faculdade Pan presta à sociedade, gerando alternativas de ação que atendam às reais expectativas e problemáticas da população. É ainda um espaço fértil para o exercício e conquista da emancipação crítica tanto da comunidade acadêmica quanto da sociedade.

Conforme a RESOLUÇÃO Nº 7, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2018, a Extensão na Educação Superior Brasileira é a atividade que se integra à matriz curricular e à organização da pesquisa, constituindo-se em processo interdisciplinar, político educacional, cultural, científico, tecnológico, que promove a interação transformadora entre as instituições de ensino superior e os outros setores da sociedade, por meio da produção e da aplicação do conhecimento, em articulação permanente com o ensino e a pesquisa. As diretrizes que norteiam a política de extensão da Faculdade Pan são:

• Desenvolver a extensão em todos os cursos, como um dos instrumentos de formação profissional, por constituir-se em eixo de articulação entre o ensino e a iniciação científica;
• Compreender os projetos de extensão como um conjunto de atividades de caráter educativo, cultural ou científico, desenvolvido a partir das coordenações de cada curso, por meio de ações sistematizadas, deliberadas pelo Conselho Superior;
• Desenvolver eventos (cursos, fóruns, congressos, seminários, viagens, semanas acadêmicas, simpósios e outros) entendidos como atividades de caráter técnico, científico ou cultural, objetivando o acesso da comunidade às diversas áreas do conhecimento humano;
• Priorizar projetos de relevância social que venham ao encontro das reais necessidades da sociedade, sobremodo das comunidades situadas próximas às instalações da Faculdade Pan, de forma a que seja possível uma intervenção mais eficaz, bem como a mensuração dos resultados alcançados;
• Priorizar projetos de natureza interdisciplinar que permitam a contextualização das ações em uma perspectiva global, buscando a transformação social;
• Estabelecer parcerias com entidades e instituições da sociedade civil organizada e órgãos governamentais para a elaboração e execução de atividades de extensão;
• Articular o ensino e a iniciação científica com as demandas sociais, referentes às áreas da educação, da gestão, da comunicação, do direito e das tecnologias da informação, buscando o comprometimento da comunidade acadêmica com os interesses e necessidades da sociedade;
• Estimular programas de bolsas mantidos com recursos próprios ou de agências de fomento para os acadêmicos que participarem dos projetos de extensão;
• Estabelecer um fluxo bidirecional entre o conhecimento acadêmico e o popular, buscando a produção de conhecimentos resultantes do confronto com a realidade e a democratização do conhecimento acadêmico;
• Promover atividades de apoio e estímulo à organização, participação e desenvolvimento das comunidades, embasadas em princípios de autos sustentabilidade e do empreendedorismo;
• Buscar nas atividades de extensão subsídios para a reavaliação dos conteúdos programáticos das disciplinas e cursos, identificando e possibilitando, inclusive, as práticas inovadoras.

A partir de 2021, será implantada a Curricularização da Extensão, a qual consiste na inclusão de Atividades de Extensão no currículo dos Cursos de Graduação, como parte obrigatória da formação humana de todos os acadêmicos, sob a perspectiva de uma transformação social por meio de programas e projetos orientados por docentes, tutores e com possível colaboração de técnicos administrativos em educação da FAPAD.

Os Projetos Pedagógicos dos Cursos Superiores (PPCs) deverão assegurar em suas matrizes curriculares, no mínimo, 10% da carga horária total do curso em Atividades de Extensão nas áreas de grande pertinência social, conforme previsto em legislação vigente.

A carga horária de extensão a ser curricularizada não é uma carga horária adicional, mas parte integrante da carga horária total do curso.
As práticas curriculares de extensão poderão constar na estrutura curricular dos cursos sob a denominação de Práticas Curriculares de Extensão I (PCE I), Práticas Curriculares de Extensão II (PCE II), Práticas Curriculares de Extensão III (PCE III) e Práticas Curriculares de Extensão IV (PCE IV). A totalização das cargas horárias realizadas até o final dos cursos na forma de requisito curricular deve ser identificada na matriz curricular como Práticas Curriculares de Extensão (PCE).
As atividades de extensão na FAPAD serão norteadas e sistematizadas a partir de oito áreas temáticas, correspondentes a grandes focos de política social. São elas: Comunicação; Cultura; Direitos humanos e Justiça; Educação; Meio Ambiente; Saúde; Tecnologia e Produção; e Trabalho. Quanto as modalidades, poderão ser registradas como programas, projetos, cursos e oficinas, eventos e prestação de serviços. As modalidades da extensão poderão ser vinculadas e desenvolvidas no decorrer das unidades curriculares a depender do projeto pedagógico de cada curso.
Entende-se como Programa de Extensão o conjunto articulado de projetos e outras ações de extensão, de caráter multidisciplinar e integrado a atividades de pesquisa e de ensino. Tem caráter orgânico-institucional, integração no território e/ou grupos populacionais, clareza de diretrizes e orientação para um objetivo comum, sendo executado a médio e longo prazo por alunos orientados por um ou mais professores da instituição.

Entende-se como Projeto de Extensão uma ação processual e contínua de caráter educativo, social e cultural, científico ou tecnológico, com objetivo específico e prazo determinado. A implementação de projetos pode ser desencadeada por meio de uma chamada à apresentação de um projeto ou na modalidade de demanda espontânea. Em se tratando de demanda espontânea, o projeto é acolhido a qualquer momento, quando da estruturação de ações que podem reunir antigas ou novas demandas de extensão.

Entende-se como Curso de Extensão a ação pedagógica planejada e organizada de forma sistemática, de caráter teórico e prático, presencial, semipresencial ou à distância, planejado para atender às necessidades da sociedade, visando o desenvolvimento, a atualização e aperfeiçoamento de conhecimentos, com critérios de avaliação definidos.

Entende-se como Evento de Extensão a ação de curta duração que implica na apresentação e/ou exibição pública, livre ou com clientela específica, do conhecimento ou produto cultural, artístico, esportivo, científico e tecnológico desenvolvido pela FAPAD. Eles podem ser realizadas sob a forma de congressos, conferências, seminários, encontros, simpósios, jornadas, colóquios, fóruns, reuniões, mesas-redondas, ciclo de debates, oficinas, exposições, feiras, mostras, salões, lançamentos, espetáculos, recitais, concertos, shows, apresentações, eventos esportivos (campeonato, torneio, jogos), festivais, campanhas, dentre outros.
A exemplo disso, o curso de Administração desenvolverá semestralmente no formato de Projeto de Extensão a Semana Acadêmica denominada com “Empreendedorismo Inovador”, onde acadêmicos farão a exposição de Projetos desenvolvidos no curso de Administração EaD, preferencialmente os Seminários temáticos, serão desenvolvidos por meio de lives, reuniões on-line.

Entende-se como Prestação de Serviços à comunidade a atividade de transferência à comunidade do conhecimento gerado, incluindo-se nesse conceito assessorias e consultorias, pesquisas. Os coordenadores de curso em parceria com a direção de ensino poderão induzir o registro de atividades nessa modalidade por meio de editais semestrais para escritórios modelos, que visam proporcionar ao acadêmico a aplicação prática de conhecimentos teóricos, relativos à área de formação profissional, seja do direito ou da administração e facilitar o ingresso de futuros profissionais no mercado, colocando-os em contato direto com o seu mercado de trabalho.

Ainda como prestação de serviços a comunidade interna e externa, para incentivar o empreendedorismo inovador e a incubação de negócios que visam ampliar o impacto do ensino, da pesquisa e da extensão em favor do desenvolvimento socioeconômico sustentado, a FAPAD realizará a “Mostra de Produtos e Serviços”, ou seja, um espaço no site da faculdade para que os acadêmicos possam divulgar os trabalhos e serviços que produzem e comercializam, em forma de áudio, vídeo, podcast.

É legítimo afirmar que os acadêmicos da FAPAD poderão colaborar com prestação de serviços a comunidade, pois é no âmbito da prática que o acadêmico tem a convergência entre teoria e prática e apresenta os resultados da sua pesquisa e do seu aprendizado. Uma das ações previstas na IES, é a prestação de serviço voluntário à comunidade, fazendo a Declaração do Imposto de Renda do MEI – Microempreendedor Individual, a qual poderá ser previamente agendada e realizada na Sala de Informática.

Para tanto, a FAPAD possui um CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VOLUNTÁRIOS, com a ABRADELC – ASSOCIACAO BRASILEIRA DE DEFESA DO LIVRE COMERCIO, CNPJ 07.146.446/0001-78, Rua André de Barros, 226, Sala 405, Centro, CEP. 80.010-080, Curitiba/PR.

O objeto do contrato é a prestação voluntária de serviços de consultoria administrativa e jurídica. A FAPAD enviará acadêmicos do curso de Administração e Direito, juntamente com um professor responsável uma vez por semana, por duas horas, para prestar voluntariamente consultoria administrativa e jurídica para a ABRADELC. Os resultados da consultoria serão documentados através de formulários, para que posterirormente os dados sirvam para a publicação de artigos, podcasts.

Pular para o conteúdo